Parabéns Photoshop – 20 anos de existência (Amém)

Falar de design sem falar de Photoshop é quase uma blasfêmia, a ferramenta revolucionou e facilitou muito o trabalho dos designers e hoje é uma ferramenta obrigatória para qualquer um que pega no mouse e diz: “vou ser designer”.

Hoje faz 20 anos que o Photoshop foi lançado e para comemorar este adorável “companheiro de trabalho”, vamos traduzir aqui um texto da Angela West , que saiu no Webdesigner Depot, chamado de  A evolução do Photoshop, desde seu modesto início, sendo vendido como parte de pacotes de scanners, até o ápice dos dias de hoje, onde com certeza não vemos uma foto sequer nas bancas, que não tenham sido corrigidas e manipuladas nele, tendo seu nome associado ao ato de ajuste. Não se fala mais “vou ajustar uma foto”, se fala “vou photoshopar uma foto” ou “esta foto esta photoshopada”.

A cada versão a evolução do software é significativa e também pela diversão, já que os desenvolvedores embutem Easter Eggs como parte da brincadeira, que são comosurpresas colocadas no código do software que são acionadas com determinados comandos, como um cheat de jogo de video-game que te faz ganhar alguma coisa apertando uma sequência de botões).

Espero que gostem do texto traduzido e agreguem mais conhecimento desta ferramenta tão importante de nossas vidas.

Photoshop: Origem

O mais impressionante sobre o Photoshop é o fato de uma talentosa família, composta por um professor de engenharia, um estudante de PHD em engenharia e um talentoso artista de efeitos especiais que trabalha na ILM (Industrial Light and Magic de George Lucas (criada para conceber Star Wars), tiveram a brilhante idéia de conceber este software chamado Photoshop.

Thomas Knoll, o estudande de PHD, ainda é envolvido com o programa até hoje.

Glen Knoll era um professor universitário com dois filhos e dois hobbies: computadores e fotografia. Ele tinha uma sala escura no porão da sua casa e um Apple II Plus que o proporcionava trabalhar em casa as vezes.

Thomas Knoll acabou pegando o gosto do pai por fotografia no colégio, enquanto seu irmão , John Knoll, simplesmente comprou um dos primeiros Macs disponíveis para o público.

Em 1987 Thomas Knoll estudava engenharia na Universidade de Michigan e seu irmão trabalhava na ILM. Ele então escreveu um programa que transformava fotografias monocromáticas em tons de cinza no seu computador. O sucesso deste código fez com que ele criasse mais e mais a ponto de ter rapidamente um número de processos considerável para efeitos de fotografia e imagens digitais.

Depois que seu irmão John viu o que ele andava fazendo, recomendou ao irmão reunir tudo em um editor de imagens completo.

A combinação da habilidade de Thomas em programar, com a habilidade de John em design, levou os irmãos a um trabalho colaborativo que desenvolveu mais processos e avançou com o programa inicial. Com apenas uma interrupção para a formação de tese de Thomas, em 1988 eles lançaram o “Image Pro” e John sugeriu que vendessem o programa como um aplicativo.

Com 6 meses, os irmãos firmaram parceria com uma empresa de escanners chamada Barneyscan. Eles compraram 200 cópias do programa para incluir no pacote de seu produto.

Eles também foram chamados pela Supermac e Aldus, mas não fecharam nada com ambos.

Pouco tempo depois, os irmão Knoll fizeram ouro quando passaram na frente dos produtos Adobe e isso deu início a parceria de licenças com a Adobe que lançaria o produto, elevando ele à estratosfera.

Em 10 de Fevereiro de 1990, nascia o Adobe 1.0

O vídeo abaixo e uma entrevista feita com John Knoll este ano, onde ele fala do Photoshop nos dias de hoje.

Photoshop através dos tempos

Agora vamos fazer uma viagem no tempo e rever as versões desenvolvidas do Photoshop. Se tiverem alguma mudança não listada, por favor, comentem este post.

1990 – Photoshop 1.0

John Knoll programou “efeitos especiais” o que não foi muito bem visto pelo pessoal da Adobe, pois pareciam muito estranhos aos leigos. Os irmãos encontraram então um meio de inserir isso no programa sob a forma de plugins, dando origem à enorme indústria de add-ons para o programa.

John e a Adobe então sempre cobravam de Thomas alguns avanços antes de lançar o programa.

A primeira versão de tela de abertura do Photoshop continha apenas 4 programadores. Nas versões sequentes foram sendo adicionados mais e mais à lista, tendo nas mais recentes um número limitado de VIP´s da Adobe.


1991 – Photoshop 2.0

O Photoshop 2.0 incluiu o recurso de formas (Path), que permite ao usuário selecionar ao redor de um objeto facilmente e guardar a forma para uso posterior. Ele foi adicionado pelo engenheiro Mark Hamburg (“the path man”), contratado pela Adobe, até então o único engenheiro era Thomas Knoll.

Nesta versão tivemos também rasterização para arquivos de Illustrator, suporte para CMYK, que ajudou na adoção do software por industrias gráficas, e também tivemos a ferramenta caneta (Pen).

O Photoshop 2.0 passou a usar 4 MB de memória, no lugar dos 2 MB da versão anterior, o que ajudou na estabilidade do programa.

Em 1992 foi lançado o 2.5, que foi a primeira versão para Windows. O código teve que ser totalmente mudado para alcançar este objetivo.

Nesta versão foram ainda adicionados suporte a arquivos 16 bits e paletas. Mas como não podia deixar de ter, havia um BUG de memória que fez Mark Hamburg perder o sono. Foi lançada então a 2.5.1 que corrigiu o erro, os filtros ganharam seu próprio menu.

As imagens abaixo são da versão para Mac.

1994 – Photoshop 3.0

O grande avanço da versão 3.0 foram as camadas (Layers), que hoje são vitais para qualquer designer que queira fazer algo mais complexo. Antes de sua introdução, designers salvavam diferentes versões de seus trabalhos para que pudessem voltar atrás caso necessário. As camadas tornaram esta prática redundante.

As layers são camadas de uma imagem, que contém elementos para formar a imagem final, como um sanduíche de imagens visto de cima. O que foi demonstrado na imagem da tela inicial do programa.

Thomas Knoll foi o responsável por este avanço enquanto ourtos engenheiros melhoravam o desempenho do software no Mac e tentavam pôr a versão para Windows no mesmo patamar da versão para Mac. Criou-se então as paletas em abas.

Os engenheiros da Adobe incluíram também o Adobe Transient Witticisms (ATW) onde um pequeno Easter Egg foi adicionado, aparecendo somente quando uma obscura combinação de teclas fosse acionada.

1996 – Photoshop 4.0

Os ajustes de layers e macros são os dois maiores avaços da versão 4.0

Os ajustes proporcionaram ao designer aplicar efeitos em um grupo de camadas. Macros, ou ações, proporcionaram o mapeamento de comandos para um comando apenas, o que poupava muito tempo de execução se tivesse várias imagens para trabalhar.

A mudança mais importante foi a unificação da interface com os outros produtos da Adobe, o que proporcionava uma curva de aprendizado bem menor e é hoje uma das coisas que mais fazem da Adobe, o que é hoje.

Claro que nem todo mundo gostou, os fiéis usuários sempre questionavam nas comunidades: “Porque quebraram o Photoshop?”.


1998 – Photoshop 5.0

As duas mais importantes mudanças desta versão foram as fontes editáveis e a habilidade de desfazer ações multiplas vezes no “history” do arquivo.

As versões anteriores deixavam adicionar texto no arquivo, mas era muito mal renderizada, esta versão arrumou isso de forma louvável. Os multiplos “undo” também foram um avanço necessário com o crescimento da complexidade dos arquivos.

Os ajustes de cor também surgiram aqui, bem como o “laço magnético”.

1999 – Photoshop 5.5

O Photoshop 5.5 teve um grande avanço em salvamentos: “save for web”, que polpava muitos ajustes, já que vinha com configurações previamente ajustadas para web, otimizando o tamanho delas.

Surge no pacote o ImageReady, feito para ajudar ainda mais os webdesigners na construção de suas peças gráficas. Muita coisa do Image Ready foi incorporado na versão full do Photoshop e a idéia de um programa visualizador naceu com o Photoshop Elements.

2000 – Photoshop 6.0

O painel de estilos de camadas fez o trabalho com camadas mais facil no Photoshop 6. Foram incorporadas também as formas vetoriais juntamente com a habilidade de desenhar vetores, claro que com isso surgiu a paleta de formas vetoriais diretamente nas imagens.

As funções multi-layer surgem aqui também, bem como as opções de Blending. A função Crop foi separada da ferramenta de marcação, ficando mais fácil usar o comando.



2001 – Photoshop Elements

Com a complexidade aumentando nas ferramentas, o Photoshop estava arriscado a perder uma faixa significativa do mercado, que não entendia ou precisava de tantos avanços. Para combater isso eles lançam o Elements. O novo produto foi um sucesso e continuou recomendando aos clientes como ferramenta de redimensionamento e ajustes simples.

Mas a interface não era tão intuitiva para quem já trabalhava com Photoshop, mas quando alguém questionava, era solicitado para que fizesse um upgrade para a versão full do Photoshop. Marketing puro!

2002 – Photoshop 7.0

Esta versão introduziu o Healing Brush e texto totalmente vetorial. Um novo browser de arquivos foi incorporado para facilitar o acesso a arquivos.

As áreas de trabalho agora pode ser criadas e salvas, permitindo ao usuário salvar pastas e grupos de arquivos para posterior reutilização.

Os pincéis personalizáveis surgem nesta versão, bem como o corretor ortográfico e o encontrar/substituir, para a ferramenta texto.

Para os webdesigners temos o efeito rolatório para imagens e galerias para web.

2003 – Photoshop CS

O CS foi a primeira versão a empregar o CDS (Counterfeit Deterrence System), que reconhece e não permite duplicação de dinheiro (papel moeda). Melhorias no navegador de arquivos  facilitou o trabalho com imagens e o melhor suporte a 16-bit e imagens maiores tornou o CS mais fácil de trabalhar para designers que constantemente trabalham com grandes imagens e fotografias.

Suporta várias linguagem de script para web como JavaScript.

Agrupamento de layers surge aqui também, facilitando aplicação de efeitos em grupos e organização.

2005 – Photoshop CS2

A ferramenta de olho vermelho foi adicionada, já que era exclusiva do Elements e muito popular. Seleção de multiplas camadas e ferramentas de borrar foram incorporadas também.

Surge uma nova ferramenta, a Vanishing Point que permite os usuários a trabalharem perspectiva em imagens.
Houve um certo pânico quando “sumiram” com o “baldinho” (Paint Bucket), que foi classificado junto ao Gradiente.

Houve avanço em áreas de notas nas camadas e na paleta de camadas. Tiraram a coluna “Links”, já que o CS2 agora tem um botão de link. Surge também o Smart Object, que permite mexer na escala da imagem sem perda significativa de qualidade.

2007 – Photoshop CS3

O rápido carregamento talvez seja o avanço mais notável desta versão. Dentre as  novidades outro destaque é a otimização gráfica para celulares e os webdesigners com certeza ficaram muito agradecidos! O Adobe Camera Raw também teve ajustes significativos com ferramentas mais rápidas e novos comandos.

CS3 foi feito nas versões Padrão e Extendida. A extendida foi desenvolvida para finalização de vídeo e usuários específicos. Houve uma grande melhoria de performance com os chips Intel instalados em Macs, o que aumentou e muito a velocidade, mas para Windows também houve melhoras de desempenho. O novo Quick Selection Tool coloca todo o resto de ferramentas de seleção no chinelo, facilitando e muito o trabalho de seleção.

Clonar também ficou mais fácil no CS3 com o nascimento da paleta Clone Source, que aumentou as opções de Clone Stamp em uma paleta mais acessível.

2008 – Photoshop CS4

Atualmente a versão mais recente traz inovações em zoom e área de trabalho. Novas máscaras e painéis de ajustes foram adicionados, tornando o trabalho com máscaras mais fácil. As correções de cores deram um grande passo nesta versão também, além da interface ainda mais simplificada.

Linha do tempo do Photoshop.

Onde estão os Knolls agora?


Thomas Knoll

Thomas é o lider de desenvolvimento do Photoshop até o CS4. Também está liderando o desenvolvimento do plugin Camera Raw para Photoshop, que proporcionará ao Photoshop trabalhar melhor com raw entre fotos de modelos de câmeras diferentes

John Knoll

John ainda trabalha na ILM (Industrial Light and Magic) como supervisor de efeitos visuais, tendo sido responsável pelos efeitos dos atuais Star Wars, Star Trek (filme e série) e a trilogia Piratas do Caribe.

Glenn Knoll

Seu pai é professor da Universidade de Michigan, no departamento de engenharia.

Traduzido do texto original de  Angela West , Fonte: Webdesigner Depot

Revisado por: Tarcísio Cavalcante

Comentários

comments

Compartilhe

Sobre o autor

Designer apaixonado pelo que faz, fundador e editor do DESIGN on the ROCKS. Brasileiro, natural de Jacareí - SP. Atualmente trabalha como Freelancer de gráfico e produto.

Veja todos os artigos deDomenico Justo

7 comentários

  1. pctech22

    I have been reading your blog posts during my afternoon break, and I have to admit the entire article has been very useful and very well written. I thought I would let you know that for some reason this blog does not display well in IE 8. I wish Microsoft would stop changing their software. I have a question for you. Do you mind exchanging blog roll links? That would be really cool!

  2. Wm Talcott

    What a comment!! Very informative also easy to understand. Looking for more such posts!! Do you have a myspace?

    I recommended it on digg. The only thing that it’s missing is a bit of new design. However thank you for this blog.

  3. Princess Gatesy

    have been visiting ur blog around three days. really like your posts. btw i will be conducting a research about this issue. do you know other good sites or perhaps online forums in which I can learn more? thanks a lot.


    1. Post author
      domenicojusto

      What kind of research are you doing… maybe I can help!

Comentários desabilitados.